APEOESP - Logotipo

Sindicato dos Professores
do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

Filiado CNTE e à CUT

Acessar
Acessar

Não é cadastrado ? Cadastre-se


NOTÍCIAS 2017

Redes Sociais Twitter YouTube RSS

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Qui, 27 de Abril 2017 - 19:46

'Temer é o grande construtor da greve geral', diz presidente da CUT

Por: Eduardo Maretti / RBA - Rede Brasil Atual - 26.04

"O governo quer dinamitar o sindicalismo porque o sindicalismo resiste às propostas inadequadas que o governo faz", afirma o presidente da CUT. Para ele, base aliada no Congresso está "pulando do barco".
 
O presidente da CUT, Vagner Freitas, aposta na greve geral da próxima sexta-feira (28) como uma primeira etapa de mobilizações nacionais que têm o objetivo barrar as reformas do governo Michel Temer, num momento em que o grupo que ocupa o Palácio do Planalto perde mais e mais apoio.
 
Ontem, o PSB fechou questão contra as reformas trabalhista e da Previdência. O partido tem bancada de 36 deputados federais e três senadores. “Se (a greve do dia 28) não for suficiente podemos repetir outra greve geral, maior, talvez de 48 horas. Podemos ocupar Brasília, ir até o Congresso Nacional, nas votações, se eles não retirarem as votações, principalmente da trabalhista e da Previdência”, diz Freitas.
 
Para o sindicalista, a base aliada “vai pulando do barco”, diante das pesquisas que “demonstram que o governo Temer não tem popularidade, não tem credibilidade e respeitabilidade”. 
 
Segundo o presidente da CUT, as centrais vão conversar logo após a greve do dia 28 para avaliar os próximos passos das mobilizações. “O que não há dúvida nenhuma é que a greve geral será bem sucedida e terá desdobramentos”, promete.
 
Ele diz ainda que, com a sua determinação de retirar direitos dos trabalhadores, “Temer é o grande construtor da greve geral”. 
 
Eis a entrevista.
 
Quais os desdobramentos possíveis da greve de 28 de abril?
 
Convocamos a greve geral pra impedir que o Congresso Nacional vote as reformas do Temer, na Previdência, na questão do trabalho, como foi na terceirização, que são altamente prejudiciais aos trabalhadores. A greve geral é um instrumento de luta que tenta barrar isso. Se não for suficiente, podemos repetir um outro dia de greve geral, maior, talvez de 48 horas. Podemos ocupar Brasília, ir até o Congresso Nacional, nas votações, se eles não retirarem as votações, principalmente da trabalhista e da Previdência. São questões que serão discutidas e terão continuidade após avaliação do dia 28.
 
Se conseguirmos barrar as reformas com a greve geral, com a ocupação de Brasília, o governo fica bastante enfraquecido, e ele já é frágil, sem credibilidade. Precisamos ter uma mudança no Brasil, ter diretas já, eleições para o Congresso Nacional, para a gente voltar à normalidade democrática e ter crescimento econômico, porque os trabalhadores estão sofrendo.
 
Há data para possíveis mobilizações a Brasília?
 
Vamos sentar logo no dia seguinte ao dia 28, com as centrais, provavelmente, para discutir uma marcha a Brasília, uma greve geral de 48 horas. O que não há dúvida nenhuma é que a greve geral será bem sucedida e terá desdobramentos. Não podemos fazer a greve e parar.
 
O presidente da UGT, Ricardo Patah, e outros sindicalistas têm falado de unidade e de “indignação com o desmonte que esse governo está fazendo". Ou seja, o governo Temer conseguiu a união das centrais?
 
É uma unidade na convocação da greve geral, na realização da greve por todas as centrais. É porque o Temer é a política da terra arrasada. As centrais fazem o enfrentamento contra o desmonte que estão fazendo dos direitos trabalhistas. Ele tenta inviabilizar o movimento sindical de modo geral, principalmente quando propõe acabar com a CLT, com os direitos, com a Justiça do Trabalho, permitir a negociação individual e isolada do trabalhador com o empregador, sem intermediação dos sindicatos. O Temer é o grande construtor da greve geral, não são nem os sindicatos e as centrais. É o Temer, com a sua postura de tirar direitos dos trabalhadores, que vai unificando todos os nossos esforços para impedir, seja de qual orientação forem os trabalhadores.
 
Concorda com André Singer, que disse que o governo quer “dinamitar os sindicatos brasileiros”, principalmente ao se voltar contra o imposto sindical, eliminando assim a principal base de resistência aos seus projetos?
 
O governo quer dinamitar o sindicalismo porque o sindicalismo resiste às propostas inadequadas que o governo faz. Não é só uma questão por conta do financiamento. A CUT entende que o financiamento sindical deve mesmo ser alterado. Entendemos que o imposto sindical deve ser substituído pela contribuição sindical, com a diferença que ele deve ser aprovado pelos trabalhadores em assembleia, e não como um imposto como é hoje. Defendemos isso desde que a CUT existe. Não é esse o ataque principal que ele faz ao movimento sindical.
 
O ataque principal é acabar com as categorias organizadas, com os direitos trabalhistas e com a Justiça do Trabalho. Com isso, ele inviabiliza a representação dos trabalhadores pelos sindicatos, independente da questão financeira, que é mais um adendo. Esse governo não tem moral e legitimidade para mexer no financiamento sindical também. Fique claro que a CUT é contra mexer na questão do imposto sindical por esse governo, que está pensando não do trabalhador, mas em impor uma derrota aos sindicatos. O grande problema dessas reformas é você pulverizar toda a organização sindical que existe. Quando ele acaba com as categorias profissionais formais organizadas, vai acabando com a representação que os sindicatos têm. Isso é o principal. O financiamento é um adendo.
 
Como avalia a perda de base e apoio ao governo para as reformas trabalhista e da Previdência?
 
É um apoio que não existe mais. Recentes pesquisas CUT/Vox Populi, do Ibope, demonstram que o governo Temer não tem popularidade, não tem credibilidade e respeitabilidade. E agora sua base aliada vai percebendo isso e vai pulando do barco. Isso vai acontecer e a greve geral vai ajudar nesse enfraquecimento do governo. O fim dele seria importante demais para os trabalhadores.
Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011