APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

ACONTECE NA SUBSEDE

Redes Sociais Twitter YouTube RSS

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Ter, 26 de Novembro 2019 - 16:55

Aplicativo do TCE reúne reclamações contra escola do Jardim São José, em Suzano

Por: Leandro Melo, Diário TV 1ª Edição - Diário TV - 25.11

 
 
Lançado em outubro, "Olho na Escola" já tem mais de 17 mil escolas cadastradas e pode ser baixado gratuitamente.
 
A Escola Estadual José Benedito Leite Bartholomei, em Suzano, é uma das 17 mil que estão na mira do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Por meio do aplicativo para celular recém-lançado, o "Olho na Escola", o TCE quer saber como andam as condições das unidades de ensino municipais e estaduais.
 
Com a participação de pais, alunos, comunidade e dos próprios funcionários, o aplicativo permite o envio de sugestões, elogios e reclamações sobre as unidades de ensino. Na José Benedito, que fica no bairro São José, o número de reclamações já surpreende.
 
"O chão imundo, cadeira quebrada, lixo nas salas, vidro quebrado, banheiro sujo...", lamenta a estudante Ester Amarante. Ela diz também que o problema chega a afetar o andamento das aulas.
 
"Muitas das vezes a gente tem que ficar limpando a sala, porque não tem como fazer lição desse jeito, né?", conclui.
 
A Diretoria de Ensino de Suzano informou que vai avaliar parte das reclamações, enquanto os problemas com a limpeza já foram solucionados (veja a resposta completa abaixo).
 
Na entrada da escola, o mato alto e a sujeira dão as boas-vindas aos estudantes. Uma aluna, que preferiu não se identificar, diz que a situação tem piorado a cada dia. "Eu entrei há pouco tempo. Acho que uns dois anos e sempre foi assim. Cada vez piora", diz.
 
Os alunos chegaram a encontrar ratos e até um cobra na quadra, como mostram algumas fotos. Quando a situação piora, até os pais se juntam pra limpar a escola.
 
"A gente reuniu alguns pais, no começo do ano, para que pudesse fazer uma limpeza. Segundo a direção, não tinha como contratar faxineiros. Aí a gente veio, limpou e depois continuou essa história que não tinha faxineiro e a escola continuou suja", relata Luciana de Alcântara.
 
A sobrinha do fiscal de obras William Macedo estuda na unidade. No próximo ano, a ideia é matricular o filho, mas pelos relatos da menina, ele está pensando se vale a pena.
 
"Quando eu estudava nesse período da noite, a escola era excepcional. Hoje eu vi que está um descaso total. Nós viemos na reunião, olhei tudo e está crítica a situação", lamenta.
 
Os pais já pediram melhorias à direção da escola. Como resposta, ouviram que a Secretaria de Educação não envia dinheiro para manutenção e reforma do prédio. Não satisfeitos, reclamaram na ouvidoria da pasta.
 
"A gente passou esse assunto pra ele, para o Carlos, o supervisor. Ele falou que muita coisa é feita aqui, pela direção, e no dia da reunião aqui, ela falou que muita coisa depende deles lá. Então ficou um jogando pro outro. A gente não sabe mais pra onde vai recorrer", diz a dona de casa Débora Amarante.
 
Olho na Escola
Situações como essas fazem parte da rotina das escolas públicas do estado. O Tribunal de Contas quer cobrar e acompanhar melhorias. Por isso, criou o aplicativo "Olho na Escola" e conta com o apoio de pais, professores, diretores.
 
"É uma ferramenta que vai ajudar até mesmo o diretor da escola a reivindicar suas melhorias com embasamento muito mais forte, com uma sociedade ao seu lado e dando assim mais peso a essa solicitação às autoridades superiores que podem ajudá-lo a resolver o problema que foi relatado", explica Fábio Xavier, diretor de tecnologia e informação do TCE-SP.
 
Com o aplicativo, a comunidade escolar pode enviar sugestões, elogios ou reclamações. Pode ser de uma ou mais unidades. Inclusive, as mensagens, podem ser acompanhadas de fotos ou vídeos.
 
O TCE envia as mensagens para o diretor da escola e quem mandou a mensagem acompanha todo o processo até a possível solução do problema.
 
"O nosso aplicativo envia o e-mail para o responsável por aquela escola, que está cadastrado, que é o diretor da escola. Esse diretor tem ações. Ele pode, no caso da reclamação, verificar se ela é pertinente ou não. Caso ele verifique que é pertinente, ele vai sugerir uma ação para resolver aquele problema e vai definir até mesmo um prazo para atendimento daquela solicitação. Isso tudo que ele registra na interface vai para o aplicativo na mesma hora, em real time. Aí o cidadão que fez a reclamação consegue acompanhar o status do atendimento daquela reclamação pelo próprio aplicativo", diz Fábio.
 
Lançado em outubro, ele pode ser baixado gratuitamente pela internet e conta com um painel estatístico que mostra, em tempo real, gráficos e mapas de todas as interações recebidas diariamente.
 
O aplicativo é mais uma das medidas tomadas pelo Tribunal de Contas para o monitoramento das unidades de ensino.
 
O TCE também realiza fiscalizações pessoais periodicamente. Na mais recente, com foco na alimentação escolar, encontrou escolas do Alto Tietê sem o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) e sem licença de funcionamento da Vigilância Sanitária.
 
Sobre as reclamações, a Diretoria Regional de Ensino de Suzano disse que a desratização está em dia, mas que ainda assim vai chamar um técnico para avaliar o local. Já a poda do mato vai ser feita nos próximos dias. Sobre a limpeza da unidade, nesse mês duas novas funcionárias passaram a fazer o serviço.
 
A diretoria disse ainda que essa escola faz parte do programa Escola Mais Bonita e passará por reforma em 2020.
Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011