APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

NOTÍCIAS 2018

Redes Sociais Twitter YouTube RSS

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Qua, 07 de Março 2018 - 18:52

Escolas de tempo integral de Alckmin são reprovadas pela população

Por: Rede Brasil Atual - 06.03

Problemas
 
Para mais de 80% dos pais, alunos e professores ouvidos em pesquisa, governo deveria priorizar escolas de tempo integral em áreas mais pobres e garantir a oferta a todos, não a uma minoria
 
O formato de ensino em jornada ampliada na rede de tempo integral do governo de Geraldo Alckmin (PSDB) foi reprovado por mais de 80% dos alunos, pais e professores ouvidos em pesquisa de opinião. Para a ampla maioria dos entrevistados, esse modelo de ensino é excludente e antidemocrático, padece dos mesmos problemas da educação pública paulista, como a insegurança. Além disso, eles acreditam que governo deveria priorizar as áreas mais pobres para receber essas escolas de turno ampliado, garantindo assim o acesso de todos, e envolver a participação da comunidades no debate referente à criação de novas unidades.
 
Divulgada nesta terça-feira (6), a pesquisa encomendada pelo Sindicato dos Professores no Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) ao Instituto Locomotiva ouviu 663 pais e mães, 667 alunos e 340 professores de escolas de tempo integral da rede estadual de ensino em São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André, Piracicaba, Sorocaba, Campinas, Americana, Limeira, Marília, São José dos Campos, Santa Bárbara D’Oeste, Araraquara, Presidente Prudente, Taubaté, Jundiaí e Sumaré. Clique aqui para ler a pesquisa na íntegra.
 
Esta é a terceira pesquisa de opinião encomendada pela Apeoesp. No final de setembro, foi divulgada sondagem sobre  a escalada da violência nas escolas estaduais. No começo de outubro, sobre a qualidade do ensino.
 
Excludente
Uma das principais críticas da população é que as escolas de tempo integral expulsam os estudantes que não podem ficar praticamente o dia todo na escola porque precisam trabalhar. Para 25% dos estudantes e 15% dos pais que acompanharam o processo de adesão da escola regular ao tempo integral, chegou houve pelo menos um caso de aluno que, como trabalhava, teve de se transferir para outra escola, deixando para trás o desejo de permanecer estudando em jornada ampliada.
 
A pesquisa mostrou que é praticamente unânime entre a comunidade escolar a opinião de que o governo deveria priorizar a criação dessas escolas em áreas mais pobres, para oferecer mais tempo de estudo para alunos que geralmente estão mais defasados pela falta de professores, por exemplo.
 
É por isso também que a maioria dos entrevistados defendem que as escolas em tempo integral deveriam ser garantidas a todos os estudantes, e não apenas para os estudantes que moram nos bairros distantes das periferias. 
 
Antidemocrática
Grande parte dos entrevistados discorda também do processo de implementação das escolas de tempo integral. De cada dez, nove acreditam que deve ser discutida democraticamente com a toda a comunidade por causa dos impactos causados, como o fechamento de turnos parciais, especialmente o noturno. Apenas 25% deles avaliam que o processo foi totalmente democrático.
 
Outro dado relacionado ao perfil antidemocrático é que apenas a minoria dos estudantes, pais e professores dessas escolas disseram participar regularmente do Conselho de Escola.
 
Mesmos problemas
Apesar de bem avaliadas de maneira geral, as escolas de jornada ampliada também são afetadas por problemas que afetam o conjunto da rede estadual paulista. Enquanto a qualidade da educação é o aspecto melhor avaliado, há reclamações quanto à falta de segurança, do número de alunos por sala de aula e desinteresse dos alunos pelos estudos.
 
Para a ampla maioria dos entrevistados, ainda há pontos a melhorar no funcionamento da escola de tempo integral, especialmente entre os professores – daí a necessidade, segundo eles, de mais investimentos porque somente aumentar o tempo nas escolas não é suficiente para melhorar a educação.
 
"Os dados da pesquisa mostram que o governo Alckmin segue cada vez mais pensando em ilhas de excelência, para ter o que apresentar em programa eleitoral. No entanto, vemos que essas escolas acabam expulsando muitos estudantes, quando a escola deveria incluir, e não excluir. Como tinha de fechar o noturno para adotar o tempo integral, muito alunos foram embora da escola, passaram a trabalhar até ter a idade de voltar nas classes de EJA", disse a presidenta da Apeoesp, Maria Izabel de Azevedo Noronha, a Bebel.
 
A dirigente considera que os resultados da pesquisa confirmam diversas denúncias da categoria, como a de que o governo Alckmin fecha salas de aulas, demite professores e superlota as turmas. 
 
Já o especialista em educação João Cardoso Palma Filho acrescentou que as escolas em tempo integral de Alckmin vão na contramão das melhores experiências educacionais ao priorizar investimentos em escolas tradicionais, melhor localizadas, em detrimento de estabelecimentos periféricos, que historicamente acumulam defasagem.
 
"No Chile, após a ditadura de Augusto Pinochet, o governo escolheu as 900 piores escolas para investir e melhorar, o que deu certo. Além do mais, fechar turmas no noturno só cria mais problemas. Ampliar a jornada é positivo, mas da maneira como está é mais um projeto equivocado", disse.
Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011