APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

NOTÍCIAS 2019

Redes Sociais Twitter YouTube RSS

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Qua, 27 de Novembro 2019 - 16:07

Jovens esperam da escola apoio para construir projeto de vida

Por: Porvir - 27.11

 
 
Pesquisa 'Nossa Escola em (Re)Construção' traz reflexões de mais de 258 mil estudantes de todo o país sobre o Novo Ensino Médio e a escola dos sonhos
 
Mais do que apenas conteúdos, os jovens esperam encontrar na escola um espaço para descobrir suas vocações, sonhos e fazer escolhas de vida. Para essa tarefa, quatro a cada dez estudantes gostariam de ter um orientador vocacional na escola dos sonhos. O contato com esse profissional deve acontecer, segundo eles,  de forma regular e integrada à rotina: 27% desejam ter conversas nas aulas normais, 19% querem aulas semanais especiais com esse objetivo e 7%, mensais.
 
Os dados fazem parte da terceira edição da pesquisa "Nossa Escola em (Re)Construção", promovida pelo Porvir, em parceria com a Rede Conhecimento Social. Realizada a partir de dados coletados em 2019, por meio de uma plataforma de escuta online e gratuita, a pesquisa ouviu 258.680 estudantes de 11 a 21 anos de todo o Brasil. A mobilização para participar da consulta, este ano, contou com a parceria das redes estaduais de educação de Acre, Alagoas, Mato Grosso, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins e Distrito Federal.
 
Entre outros destaques, a pesquisa traz dados sobre as percepções e demandas dos jovens em relação ao Novo Ensino Médio, ao desenvolvimento integral, à relação com os professores e outros profissionais, ao uso de tecnologia na escola e o envolvimento e o desejo por mais participação nas decisões.
 
"A nova edição da pesquisa trouxe mais elementos que mostram a preocupação do estudante e o seu pedido de ajuda para lidar com questões relacionadas ao futuro. Esses dados são importantes para escolas e redes desenvolverem estratégias para apoiarem os jovens nessa demanda", diz Tatiana Klix, diretora do Porvir.
 
A pesquisa  "Nossa Escola em (Re)Construção" foi criada em 2016 a partir da metodologia PerguntAção, desenvolvida pela Rede Conhecimento Social, que envolve o público pesquisado em todo o processo. "A metodologia trabalha todas as etapas da pesquisa de forma participativa, desde definir a pergunta guia, as hipóteses e o questionário, até a análise dos resultados", explica Marisa Villi, cofundadora e diretora executiva da Rede Conhecimento Social.
 
Para esta terceira edição, o questionário foi reformulado levando em conta a urgência de ouvir os estudantes sobre o Novo Ensino Médio. "Para isso, reunimos um grupo de especialistas e jovens para entender quais eram as questões mais relevantes para serem acrescentadas", destaca.
 
Reforçando a preocupação que os jovens têm com o futuro, foi identificado que 24% deles entendem que a escolha do itinerário formativo deve levar em conta a afinidade com a faculdade que desejam fazer e 19% a preparação para o Enem e vestibular. Ao mencionar o melhor momento para fazer essa escolha, 41% querem optar logo no início do ensino médio, mas outros 43% preferem adiar essa opção ou acham que ainda é muito cedo para pensar sobre isso. Tanto em um caso como no outro, fica clara a necessidade da escola oferecer apoio para que o estudante saiba, cada vez mais cedo, fazer escolhas que vão impactar em sua vida,
 
Desenvolvimento integral
 
Além de esperar que a escola dê conta de prepará-los para o seu projeto de vida, os jovens também querem ajuda para mediar relações no ambiente escolar. De acordo com a pesquisa, 33% dos respondentes avaliam de forma negativa a relação entre os alunos em suas escolas e 30% deles não falariam que em sua escola atual todas as pessoas são respeitadas, independente de cor, religião, orientação sexual, nacionalidade e cultura.
 
"Todo aluno de escola já sofreu bullying, alguns casos até piores do que os outros. Isso muitas vezes não acaba bem. Com a iniciativa de discutir emoções na escola, a gente poderia diminuir taxas de agressão e até mesmo de suicídio", sugere a estudante Radiz Paula Queirós do Nascimento, 15, do primeiro ano do ensino médio da Escola Senador Adalberto Sena, em Rio Branco (AC), que participou da mobilização da rede estadual para responder ao questionário da pesquisa.
 
Apesar de 65% dos estudantes considerarem fundamental a escola desenvolver ações para trabalhar autoconhecimento, sentimentos e relações, apenas 27% deles afirmam que encontram essas atividades nas suas escolas. "A questão da depressão faz com que vários alunos saiam da escola e parem de estudar. Eu acho que é muito importante ter esse tipo de matéria na escola", diz Maria Eduarda Sobral Santos, 17, aluna do terceiro ano da Escola Estadual Dom Constantino Lüers, em Campo Alegre (AL).
 
Para lidar com essas demandas, quando questionados sobre outros profissionais que gostariam de ter na escola dos sonhos, 64% jovens mencionam a possibilidade de contar com a presença de psicólogos no ambiente escolar. "Nós que estamos no ensino médio vemos pessoas a todo momento falando do Enem e de provas. Isso traz uma carga psicológica e mental muito forte para os alunos.
 
Por conta dessa pressão, muitos acabam desenvolvendo depressão, ansiedade e diversos problemas psicológicos", avalia João Victor De Oliveira Lima, 15, aluno do primeiro ano da Escola Professor José Rodrigues Leite, em Rio Branco (AC).
 
Com foco na melhoria da qualidade de vida e do bem-estar, as práticas esportivas ou ao livre também são demandas apresentadas pelos estudantes, já que 46% querem ter quadras e equipamentos esportivos na escola dos sonhos. Quando o assunto é ampliação do repertório cultural, sete a cada dez acham que não podem faltar oficinas e práticas que trabalhem cinema, música, teatro, festivais e outros.
 
Confira outros destaques da pesquisa:
 
- 7 a cada 10 consideram regular ou ruim o uso da tecnologia em suas escolas;
 
- 4 a cada 10 dizem o professor ideal sabe explicar bem os conteúdos e 3 em cada 10 propõem diferentes atividades nas aulas;
 
- 79% dizem que suas escolas possuem grêmio, mas só 45% consideram que estudantes participam das decisões.
 
Veja o questionário e os resultados completos em:
https://porvir.org/nossaescolarelatorio/
 
 
Sobre o Porvir
 
O Porvir produz conteúdos que apoiam e mobilizam educadores a encontrar soluções inovadoras para transformar a educação. A plataforma inclui notícias diárias sobre tendências educacionais, histórias de pessoas e casos de inovação em educação no Brasil e no mundo, guias especiais com caráter formativo e ferramentas de pesquisa e inteligência, além de organizar eventos para a troca de experiências.
 
Sobre a Rede Conhecimento Social
 
Fundada em 2016, a Rede Conhecimento Social é uma organização da sociedade civil, constituída como spin off do Instituto Paulo Montenegro, organização criada em 2000 pelas empresas associadas ao Grupo IBOPE, trazendo em seu DNA a expertise de colocar a serviço da sociedade o uso de pesquisas para fins sociais.  
 
A missão da Rede Conhecimento Social é promover a construção participativa de conhecimento, estimulando e conectando pessoas, grupos, organizações e seus saberes, para gerar mobilização e transformação social. Seu objetivo é juntar variadas formas de construção de conhecimento a diversas formas de colaboração e compartilhamento de saberes.
 
 
Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011