APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

NOTÍCIAS 2019

Redes Sociais Twitter YouTube RSS

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Ter, 26 de Março 2019 - 15:58

Reforma da Previdência não pode ser feita aumentando a desigualdade, alertam economistas

Por: Redação RBA - Rede Brasil Atual - 25.03

 
Em nota, Conselho Federal de Economia diz que não é possível apoiar proposta que prejudica população mais pobre. Entidade defende modelo de crescimento inclusivo para sustentar o sistema de aposentadorias
 
O Conselho Federal de Economia (Cofecon) divulgou nota criticando o projeto de "reforma" da Previdência do governo Bolsonaro. Baseada numa ideia "contracionista", que acredita que o corte de gastos do governo pode estimular o crescimento – desacreditada entre os economistas internacionais –, a proposta tende a não funcionar, segundo o conselho, que refuta a tese de um desastre iminente caso o sistema de aposentadorias não seja mexido. "Mesmo que funcione, crescer concentrando renda melhoraria a qualidade de vida de poucos, não sendo o que o economista deve buscar."
 
Eles dizem ser "inaceitável" que o governo utilize a previsão do montante economizado como justificativa. "A Previdência precisa ser sustentável e compatível com o crescimento econômico inclusivo do país (...). Não existem riscos iminentes de dificuldades financeiras do setor público que não possam ser minimizados com a retomada mais robusta da atividade econômica e uma adequada reforma tributária."
 
Os economistas afirmam que a proposta do governo mantém privilégios injustificáveis, como a manutenção da integralidade e paridade das aposentadorias para os militares, dizem que o governo deve recompor a sua participação no financiamento da Previdência Social, desfalcado mediante a retirada de recursos, particularmente em função da chamada Desvinculação das Receitas da União (DRU), e destacam que o orçamento da Seguridade Social, onde está incluída a previdência, não é deficitário, conforme argumento utilizado pelo governo para "impressionar a opinião pública".
 
"Esses efeitos também não devem ser compensados por medidas que aumentem as desigualdades, tais como elevações intempestivas de idades e tempos de contribuição mínimos e reduções nos valores das aposentadorias por invalidez, pensões por morte, benefícios previdenciários acumulados – quando incidentes sobre os estratos de menores rendas – e benefícios de prestação continuada." A retirada da obrigatoriedade de recolhimento de FGTS e de pagamento de multa de 40% do FGTS, em demissões sem justa causa para trabalhadores já aposentados são outras medidas que, segundo os economistas, contribuem para o aumento das desigualdades.
 
Capitalização
 
Já a proposta de capitalização da Previdência, com a criação de contas individuais para a contribuição previdenciária, resultaria no "empobrecimento em massa" da população. A medida estabelece piso de um salário mínimo, que seria garantido por um "fundo solidário", mas impede a transferência de recursos públicos. Logo, o fundo seria alimentado com recursos dos próprios contribuintes, mas não apenas os de maiores salários.
 
Eles citam estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) que constatou o fracasso do sistema de capitalização na maioria dos países adotados, inclusive o Chile, que aparece como referência. "A melhor solução é manter o atual sistema, com modelo de repartição simples obrigatório até o teto e modelo de capitalização facultativo complementar. Para os servidores públicos com aposentadoria acima do teto, sem consistência atuarial, apoiamos elevações de contribuições e do tempo para acesso."
 
Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011