APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

Publicações

Observatório da Violência

Observatório da Violência

Voltar

Ter, 20 de Setembro 2016 - 15:54

Alunos, pais e professores protestam por mais segurança em escola

Segundo eles, existe até o uso de drogas dentro do prédio em Bauru. Diretoria de Ensino informou que pediu auxílio à Polícia Militar.

 

Alunos, pais e professores da Escola Estadual Azarias Leite fizeram um protesto na manhã desta segunda-feira (19) em Bauru (SP). A manifestação foi para pedir mais atenção das autoridades em relação à segurança no local. A maioria dos alunos não entrou na sala de aula e o grupo fez o protesto em frente ao prédio. Segundo eles, os atos de violência e o uso de drogas são frequentes dentro do prédio.

“Nós do corpo docente estamos preocupados com os casos de violência dentro da escola, tem até uso de arma branca que alunos trazem para escola. As medidas punitivas e pedagógicas não estão sendo cumpridas. Tentamos o diálogo, mas não tem dado certo e estamos sem inspetores de alunos e sem esses funcionários para fiscalizar, tem estudantes que usam drogas no pátio, voltam para sala drogados e agem com violência colocando em risco os professores e outros colegas”, afirma um dos professores, que pediu para não ser identificado.

Os próprios alunos reclamam da situação. “Muitos estudantes ficam no banheiro, fumando maconha e não entram na sala de aula. Faltam também professores, inspetores e a escola fica uma zona. Tem dias que só tem duas aulas e nós que estamos no terceiro ano, queremos estudar, passar em alguma falculdade, fica complicado”, conta Larissa Pimental, de 18 anos e aluna do 3º ano ensino médio.

O caso é tão sério que alguns funcionários pediram afastamento e os alunos chegam a ficar sem aula. “Tem muito professor indo embora, os alunos ficam sem aula e a direção não toma nenhuma providência. Tem dia que minha filha tem três aulas vagas e eles ficam no pátio, não tem professor nem para reposição”, ressalta a dona de casa Rita de Cássia Rodrigues, mãe de um dos alunos da escola.

Alguns pais buscam resolver o problema. Eles já falaram com a Diretoria Regional de Ensino e com a promotoria de Infância e Juventude. A vendedora Lucinéia Monteiro é mãe de dois alunos que estudam na escola afirma que a direção é negligente com a situação.

“Os professores estão tendo problemas e a direção não toma providências. É caso de droga, violência e toda vez que os problemas são levados para a diretoria nada é feito. O regimento escolar não está sendo cumprido, quando há algo grave a direção se nega a fazer até boletim de ocorrência e diante dessa situação quatro professores já pediram remoção, professores bons e que estão na escola há muito tempo. E os alunos ficam sem aulas, a gente acredita que a direção é muito omissa em relação aos problemas da escola.”

A Diretoria Regional de Ensino de Bauru informou em nota que as aulas ocorreram normalmente. Informou também que não há superlotação de sala e não faltam professores. Disse que a escola já pediu auxílio à Polícia Militar, Conselho Tutelar e Promotoria da Infância e Juventude e segue em contato com a comunidade que já foi convocada para uma reunião que tratará das reivindicações dos alunos.

 

Do G1 Bauru e Marília

Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011