APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

Publicações

Redes Sociais Twitter YouTube RSS
Observatório da Violência

Observatório da Violência

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Qui, 14 de Março 2019 - 18:04

Em Limeira, pais questionam sobre segurança em escolas

Cintia Ferreira - Gazeta de Limeira - 14.03

 
Diretores em Limeira receberam familiares e atenderam ligações ontem, após tragédia em Suzano
 
A tragédia que ocorreu em Suzano, em que atiradores entraram em uma escola e deixaram estudantes mortos, causou preocupação em estudantes e pais limeirenses. Ao visualizarem a notícia triste, muitos procuraram as escolas das redes estadual e municipal para entender como funciona o sistema de entrada nas unidades e os cuidados com a segurança.
 
"Recebemos ligações ontem de pais preocupados e os professores também queriam informações. A verdade é que, mesmo com todos os cuidados que tomamos, não temos como prever que uma situação dessa ocorrerá. Nunca é possível imaginar que um aluno terá uma atitude assim. Nosso sentimento é de impotência, pois nos esforçamos para formar jovens com atitudes boas", citou um diretor, que será preservado.
 
Ao deixar uma escola estadual ontem, após uma reunião, o secretário da Apeoesp Limeira, Edivaldo Mendes Costa, presenciou quando pais foram ao local buscar informações. "Queriam saber como é a entrada, se todos têm acesso ou não. Infelizmente muitos estão preocupados após a tragédia", disse. Segundo ele, outras escolas vivenciaram situações semelhantes.
 
Um professor citou que o clima nas escolas foi difícil devido à repercussão. "Alunos preocupados. Temos medidas de segurança, porém, a situação foi muito triste", cita. Outro diz que pais costumam "testar" a segurança das escolas. "Alguns já tentaram entrar para ver se existe controle", citou.
 
Outra diretora, procurada por pais com a mesma dúvida, diz que o fato é lamentável, mas as escolas não conseguem dar garantias. "Eles querem que possamos garantir que isso não ocorra, mas não podemos. Por mais que tomamos cuidados, fechamos portões, uma pessoa pode encontrar outros meios".
 
Segundo os profissionais, as escolas são vítimas da violência que permeia a sociedade. "Precisamos discutir sobre isso e encontrar meios de atuar. A violência não nasce na escola, mas vem para a escola em casos assim", cita.
 
Há unidades que alteraram seu meio de entrada e saída. Até mesmo a entrada de pais é controlada, especialmente após o episódio que ocorreu em Janaúba, quando um vigilante ateou fogo em crianças e servidores de uma creche municipal. "Nos causou preocupação".
 
CONTROLE
 
A Secretaria Municipal da Educação informou que não existe um padrão estabelecido para acesso às escolas da rede municipal, que são todas fechadas. O acesso não é livre e cada unidade faz o controle de forma diferente (a maioria usa portões automáticos, por exemplo), uma vez que cada uma possui uma estrutura e configuração diferentes.
 
"Todas fazem controle de acesso por meio da secretaria da escola, geralmente com agendamento prévio nas unidades para atendimento aos pais e responsáveis. A pasta reforça que busca incentivar ações de pertencimento, em parceria com a comunidade, para que a população também cuide dos espaços, como o projeto Escola Cidadã", cita.
 
Quanto à segurança, a Secretaria diz que a maioria das escolas possui sistema de alarmes e grande parte delas possui, interna e externamente, monitoramento de câmeras. A secretaria estuda, atualmente, instalar câmeras em todas as unidades e padronizar o sistema de segurança nas escolas municipais, o que tem sido feito em parceria com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Civil.
 
Secretaria Estadual emite comunicado com orientações
 
No início da tarde de ontem, a dirigente regional de ensino Isabel Cristina Pivetta Fodra, encaminhou às escolas estaduais limeirenses um comunicado com orientações de acolhimento da pasta. "Em face da tragédia ocorrida na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, a Secretaria orienta todas as escolas a manterem o turno da tarde e noite acolhendo os alunos que se dirigirem à escola neste momento delicado", cita.
 
Destaca que é importante informar todos sobre os fatos ocorridos, já divulgados pela Polícia Militar e acolher as dúvidas e sentimentos dos alunos, com muita calma e sensibilidade. "É importante receber e dialogar com todos. As escolas poderão se organizar em atividades acolhedoras e diversificadas de acordo com o clima escolar e sua realidade. O gestor escolar deve reunir sua equipe e organizar o acolhimento". (CF)
Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011