APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

Publicações

Observatório da Violência

Observatório da Violência

Voltar

Qua, 16 de Março 2016 - 15:59

Interior de SP: Professor apanha de aluno após barrar celular na aula

UOL Educação - 15.03

 

Um professor de 59 anos foi agredido por um de seus alunos da Escola Estadual Bento Abelaira Gomes, que fica em São José do Rio Preto, na manhã de segunda-feira (14). O estudante não havia obedecido ao pedido do docente para não usar o celular e acabou sendo enviado para a diretoria. Para revidar, o garoto agrediu o educador.

Por conta dos ferimentos, o educador deve ficar afastado por sete dias.

Segundo o boletim de ocorrência, na segunda-feira, por volta das 10h, o professor, que ministra a disciplina de sociologia, percebeu o aluno usando o telefone celular durante a aula, cujo tema abordado era justamente violência. Ele repreendeu o estudante e pediu que o aparelho fosse desligado. Minutos depois, o jovem continuou a utilizar o aparelho e foi novamente repreendido. O professor retirou, então, o aluno de sala e o encaminhou até a diretoria. 

Ao voltar para a sala de aula, o garoto passou a ofender o professor e, repentinamente, partiu em direção a ele. Primeiro, ele desferiu uma voadora contra as costelas do educador. Após o golpe, o adolescente ainda o agrediu com uma série de socos e chutes. 

As agressões foram presenciadas pelos companheiros de sala, que conseguiram segurar o aluno. O professor foi levado a uma unidade de saúde, que constatou uma lesão na coluna. Ele também passou por exame de corpo de delito, que confirmou a lesão.

O professor conta que irá passar por atendimento especializado de ortopedia e que a licença pode ser maior. "Estou com dificuldades para caminhar. Hoje estou com sequelas da agressão, mas espero que elas passem" disse o docente, que não quer ser identificado. "Felizmente, não estou com raiva. Na hora, fiquei com muita, mas não pude revidar. Hoje, falaria com ele e com os pais sem problema para tentar entender o que aconteceu."

A reportagem tentou falar com o autor da agressão, mas ele não foi localizado para comentar. Ele recebeu uma suspensão de sete dias.

Outro caso na mesma escola

A outra agressão ocorreu na mesma escola, na sexta-feira, às 17h. Um professor de língua portuguesa de 30 anos realizava a chamada no 7º ano do ensino fundamental quando um aluno de 12 anos de outra turma se aproximou pelas costas do educador e lhe deu um tapa forte nas costas. Na sequência, o estudante aplicou uma gravata no educador.

"Fiquei sem entender o que aconteceu, foi tudo muito rápido", disse o mestre, que pediu para não ser identificado. "Eu considero um enorme desrespeito. Esse aluno não é da turma para a qual eu estava dando aula. Nunca dei aula para ele, nem tive qualquer problema de relacionamento."

A vítima relatou ainda que questionou a razão da agressão, mas, em resposta, teve apenas a risada do menor. O caso foi levado à direção, que optou por suspender o aluno por uma semana. "A escola não tem histórico de agressões, mas essas duas aconteceram em um curto espaço de tempo. Apesar disso, a direção foi muito correta e tomou todas as medidas necessárias", conta.

O que diz a diretoria de ensino

A Diretoria Regional de Ensino de Rio Preto informou, em nota, que lamenta as agressões ocorridas: "a diretoria ratifica que repudia atos de violência e informa que os alunos foram suspensos, os pais convocados e uma reunião do Conselho de Escola foi marcada para definir as providências a serem tomadas".

A instituição informou ainda que "a unidade possui professor mediador, profissional especializado em conflitos, que vai trabalhar na prevenção e combate à violência com os alunos", afirma a nota, ressaltando, ainda, que a Polícia Civil irá investigar os casos. 

Ambos os casos foram registrados com boletins de ocorrência e devem ser encaminhados à Vara da Infância.

Procurada, a Vara da Infância informou que, após ser notificada oficialmente dos fatos, irá determinar as medidas a serem tomadas no caso, mas garantiu que os menores sofrerão punições. Eles podem ficar apreendidos por até três anos na Fundação Casa.

Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011