APEOESP - Logotipo
Sindicato dos Professores

FILIADO À CNTE E CUT

Acessar Cadastre-se

Publicações

Redes Sociais Twitter YouTube RSS
Observatório da Violência

Observatório da Violência

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Seg, 30 de Setembro 2013 - 14:51

Uma escola é furtada a cada 15 dias

Desde janeiro 28% das instituições de ensino da rede municipal foram alvo da ação de vândalos e bandidos

ATÉ QUANDO?

De acordo com dados da Polícia Militar até o início de setembro Sorocaba somava 57 furtos à escolas estaduais e municipais e pelo menos outras três ocorrências foram registradas nos últimos dias em unidades de ensino da cidade. Tendo como base o número oficial a média é de uma ocorrência a cada 15 dias. Desde janeiro 28% das escolas municipais foram furtadas na cidade. De acordo com a Secretaria de Educação 37 das 132 escolas municipais foram alvo de bandidos durante o ano.

Em Sorocaba são são 100 Centros de Educação Infantis, 80 escolas estaduais e mais 53 escolas municipais. Computadores e aparelhos eletrônicos são os principais alvos dos bandidos que chegam a levar torneiras, material didático e até a merenda das crianças. Para coibir as ações de bandidos, todas as escolas municipais devem receber câmeras de segurança. O prazo de implantação dos equipamentos ainda não foi definido pois o serviço de videomonitoramento de prédios municipais está em licitação. A Secretaria do Estado da Educação também foi questionada sobre as ocorrências, mas não quis se manifestar sobre o assunto.

Na madrugada de sexta-feira a escola Municipal Flávio de Souza Nogueira, no Jardim Ferreira, foi invadida por bandidos que tentaram levar uma televisão 42 polegadas, duas máquinas fotográficas e um celular. Os assaltantes, um rapaz de 19 anos e um homem de 34, foram presos em flagrante pela Guarda Municipal. Para entrar na escola a dupla quebrou os vidros da porta, o que fez o alarme disparar.

Videomonitoramento

De acordo com a Secretaria de Educação, das escolas municipais, 20 são parcialmente vigiadas pelo sistema de videomonitoramento da Guarda Civil Municipal. Essas unidades são as que contam com prédios do Sabe Tudo. Ainda de acordo com a Prefeitura uma licitação está em andamento para a contratação de uma empresa que ficará responsável pela implantação de videomonitoramento em todos os prédios municipais que têm atendimento ao público. Essa medida também contempla as escolas municipais.

Cada escola e próprio público receberá entre cinco e 12 câmeras de segurança. Todos os equipamentos estarão integrados ao sistema de videomonitoramento da Guarda Civil Municipal. Apesar de questionada a Prefeitura não informou qual seria o valor pago pelo serviço. A data prevista para o início do serviço também não foi informada. Esse sistema de segurança, porém, vai atender apenas as escolas municipais.

A Secretaria do Estado da Educação foi questionada sobre o alto índice de furtos na cidade e o que está sendo feito para levar mais segurança as instituições de ensino sob responsabilidade do Estado. A reportagem ainda questionou o número de furtos ocorridos às escolas estaduais e o valor do prejuízo dado aos cofres públicos. Nenhuma dessas perguntas foi respondida.

Computadores e torneiras

Notebooks, computadores, máquina fotográfica, projetores e impressoras foram levados do Centro de Educação Infantil Helio Del Cistia Júnior (CEI 90) no início do mês. Os ladrões entraram pelos fundos da escola e, por conta dos danos, as aulas dos 350 alunos do período matutino ficaram suspensas por um dia levando transtorno aos pais que não tinham com quem deixar seus filhos. A escola foi inaugurada no ano passado e não conta com sistema de monitoramento de segurança. No total são 520 estudantes. O valor do prejuízo não foi informado pela Prefeitura.

No final da semana passada o Centro de Educação Infantil "Dona Zizi de Almeida" (CEI 03) foi o alvo dos bandidos que levaram 15 torneiras do escovódromo utilizados pelas crianças. O furto foi percebido na segunda-feira quando o estabelecimento foi aberto para receber os alunos. O boletim de ocorrência foi feito pela diretora. Ela informou ainda que para entrar no prédio os bandidos danificaram o alambrado deixando a escola vulnerável a novos furtos.

Em seis meses, entre janeiro e julho, o Centro de Educação Infantil Maria das Graças A. P. Nardi (CEI-67), na Vila Barão, foi alvo da ação de bandidos e vândalos por quatro vezes. Notebooks e merendas furtadas, janelas estouradas e salas de aula pichadas foram algumas das consequências dessas ações criminosas.

As ocorrências preocupam pais, alunos, professores e a direção das escolas. Funcionários de uma das escolas alvo de furtos se prontificaram em falar com a reportagem sobre as repetidas vezes que ladrões entraram no estabelecimento apenas esse ano mas. "Eles entram pelos fundos, quebram os vidros para conseguir entrar e sempre temos prejuízos", comentou um dos funcionários informalmente. A iniciativa, porém, foi barrada pela Secretaria de Comunicação da Prefeitura e no dia marcado para a entrevista a reportagem foi informada da desistência do grupo em falar sobre o assunto. A orientação de não falar com a reportagem foi passada pela própria Prefeitura.

PM informa que realiza rondas

Por conta do alto número de ocorrências, desde a semana passada a Polícia Militar mantém duas viaturas para fazer ronda nas escolas durante a madrugada. Essas ocorrências acontecem com mais frequência quando os estabelecimentos estão vazios, ou seja, durante os períodos de férias escolares, finais de semana e feriados.

A colocação de sistemas de segurança como cercas elétricas e alarmes ligados à centrais de polícia ou à Guarda Civil são algumas das formas de coibir esse tipo de ação criminosa, afirma o capitão da Polícia Militar, Vanclei Franci. "Muitos furtos são feitos para trocar os equipamentos por drogas", afirma Franci. Segundo ele reuniões estão sendo feitas com representantes das instituições de ensino para discutir diversas questões envolvendo os estabelecimentos de ensino e os alunos.

Envolver alunos e a comunidade na preservação da escola é outra forma de reduzir as ocorrências de furto e vandalismos nesses locais. Como exemplo ele cita o projeto Jovens Brasileiros em Ação (JBA) que está presente em algumas escolas da cidade. Com o auxílio de policiais militares especialmente treinados para o programa, os alunos são convidados a cuidar das dependências da escola evitando a depredação do patrimônio que é de todos. Os jovens participantes do programa ainda recebem noções sobre cidadania e aprendem a desenvolver a liderança.

 

Carolina Santana - Jornal Cruzeiro do Sul - 28/09/2013

carolina.santana@jcruzeiro.com.br

Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011