APEOESP - Logotipo

Sindicato dos Professores
do Ensino Oficial do Estado de São Paulo

Filiado CNTE e à CUT

Acessar
Acessar

Não é cadastrado ? Cadastre-se


Publicações

Redes Sociais Twitter YouTube RSS
Observatório da Violência

Observatório da Violência

Compartilhe: Imprimir

Voltar

Qua, 01 de Novembro 2017 - 20:20

Violência na escola por Jorge Werthein

Gazeta Online - 31.10

 

Violência na escola

Os casos extremos ganham manchetes. Há, porém, crimes silenciosos, que raramente têm visibilidade e se perpetuam sem que se tente impedi-los

*Jorge Werthein

Onde estão os responsáveis por alunos tão jovens, antes, durante e depois de passarem por vivências traumatizantes? O que fizeram para prevenir, enfrentar ou solucionar o problema? Elegem corretamente suas prioridades na educação? Enxergam e conhecem os alunos que passam no mínimo quatro horas por dia na escola? Sabem quem está perto deles enquanto estudam, lancham, conversam?

Quem vai conhecer a realidade das escolas brasileiras ouve relatos tão assustadores quanto revoltantes. Crianças e adolescentes revelam experiências de assédio moral e sexual, agressão verbal e física, dramas psicológicos variados. Mas a frequência e a reincidência dessas práticas causam mais que assombro e indignação. Por quê?

É inegável a relevância de fatores como número de matrícula, taxa de permanência e desempenho escolar, indicadores de qualidade. Esses dados estão diretamente relacionados com o ambiente físico e psicológico em que meninas e meninos adquirem conhecimentos que farão diferença pelo resto da vida.

Quando um vigia provoca um incêndio que leva à morte crianças e a si próprio dentro de uma escola, o episódio gera comoção nacional. Mas corre o risco ser esquecido. Os casos extremos ganham manchetes. Há, porém, os crimes silenciosos, que raramente têm visibilidade e se perpetuam sem que se tente impedi-los.

Ninguém lê nas escolas os sinais que normalmente antecedem as diferentes formas de violência de que são alvos tantos estudantes? Como se sabe, a educação extrapola a família e envolve uma rede que vai dos gabinetes às salas de aula, passando por pátios, cantinas, quadras, entorno escolar. Todos têm sua parcela de responsabilidade pela saúde física e mental dos estudantes.

Cabe lembrar que a violência não se restringe às instituições públicas de ensino. Inclui as particulares. Naturalmente, a falta de recursos das famílias de baixa renda agrava o quadro, pois elas geralmente não têm como apelar para trocas de sala, de escola ou de professores ou mesmo para contratar psicólogos, advogados e outros profissionais necessários para garantir o bem-estar da criança em situação de agravo.

Tudo isso é mais preocupante quando se observa uma espécie de complexo de avestruz, pelo qual não enxergar a gravidade da situação é a única resposta ao drama que afeta estudantes, professor e o próprio sistema escolar.

Chama a atenção que o Brasil, com uma das taxas mais altas de violência do mundo, despreze a necessidade de se pesquisar por que esses níveis inaceitáveis de outras formas de violência atingem as escolas. É de pequenos cidadãos que estamos tratando. Merecem políticas públicas que tornem visível o problema para enfrentá-lo imediatamente.

* É sociólogo; foi representante da Unesco no Brasil e nos Estados Unidos

Topo

APEOESP - Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - Praça da República, 282 - CEP: 01045-000 - São Paulo SP - Fone: (11) 3350-6000
© Copyright APEOESP 2002/2011